Topo da página

Pesquisa

Conteúdo do site

Coluna esquerda

Coluna do centro

Projeto Qualidade

Para ver o texto completo Clique Aqui! 

 

PROJETO QUALIDADE


Estudo da Qualidade das Águas em Reservatórios Superficiais das Bacias Metropolitanas.

 

O Projeto “Estudo da Qualidade das Águas em Reservatórios Superficiais das Bacias Metropolitanas”, surgiu com o intuito de atender uma demanda específica do SIGERH, face a escassez de dados para realização de uma análise consistente da qualidade da água nos diversos reservatórios da Bacia. Com efeito, problemas como eutrofização e salinização de açudes, tratamento da água, incidência de doenças de veiculação hídrica, vêm aumentando a cada ano, o que tornou imprescindível a busca por instrumentos que permitissem identificar o comportamento destes mananciais e prever as alterações na qualidade das suas águas. Tais aspectos, amplamente pesquisados no Projeto, muniram o SIGERH de uma base científica sólida, relevante para o seu processo de tomada de decisão.

 

OBJETIVOS: Fornecer um diagnóstico da qualidade da água na bacia com foco nos seus diversos usos; estudar o comportamento da salinidade nos seus açudes; e fornecer proposição de um índice de qualidade da água.

 

LOCALIZAÇÃO: Bacia de contribuição dos açudes responsáveis pelo abastecimento de água da Região Metropolitana de Fortaleza.

 

 

AÇUDES AVALIADOS:

 

 

 

 

Pacoti, Riachão, Gavião, Pacajús, Ererê, Pompeu Sobrinho e Acarape do Meio.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

ESTUDOS REALIZADOS:

 

  • Diagnóstico ambiental;
  • Diagnóstico da qualidade das águas;
  • Estudos de eutrofização dos açudes;
  • Estudo da origem da salinidade.

 

DIAGNÓSTICO DOS USOS DA ÁGUA

 

  •  Consumo Humano

Na avaliação da qualidade da água para consumo humano procurou-se fazer um enquadramento das águas dos reservatórios dentro dos padrões de potabilidade da Organização Mundial de Saúde (OMS).

 

 

 

 

Qualidade da água para consumo humano no Açude Pacoti.

 

  • Irrigação

 

A classificação da água para uso na irrigação, foi realizada com base nos critérios estabelecidos pelo United Sates Salinity Laboratory. Foram geradas saídas gráficas e tabulares contendo os resultados da classificação das águas nos pontos monitorados em cada reservatório, durante o período de set/99 a dez/00.

 

 

 

Classificação da água do Açude Pacoti (set/99-dez/00)

 

  • Indústria
    Embora se considerando as complexidades envolvidas na avaliação da qualidade das águas destinadas ao uso industrial, foi realizado um enquadramento das águas por tipo de indústria, com base nos parâmetros obtidos para cada reservatório.

 

SALINIZAÇÃO DOS RESERVATÓRIOS

 

  • Comportamento da Salinidade dos Açudes

A partir dos dados gerados pelo projeto, procurou-se identificar os fatores que determinam a dinâmica do comportamento da salinidade nos açudes.
Para caracterização da salinidade foram usados valores de C.E. dada às fortes correlações que apresenta com os íons dominantes na água (Cl, Na, Ca, Mg). Foram abordadas, ainda, variações sazonais.

 

  • Hidroquímica das Águas

 

Os resultados das análises das amostras coletadas nos açudes foram posicionados nos diagramas de PIPER.

 

 

 

A partir da análise dos diagramas, foram identificados os íons dominantes, tornando possível, ainda, ressaltar variações temporais ou espaciais existentes.

 

 

 

 

Diagrama de Piper das análises químicas de água do açude Ererê.

 

ESTUDOS DE EUTROFIZAÇÃO

 

 

  • Foi proposto um índice de oxigênio dissolvido (IOD), considerando-se nas discussões enfocadas neste tema, para efeito comparativo, dados secundários das bacias: Curu, Parnaíba, Alto Jaguaribe e Litorânea. Foi avaliado o comportamento sazonal do IOD, e determinadas correlações deste índice com outros parâmetros de qualidade da água, e com a morfologia, características hidrológicas e climáticas dos açudes.

 

 

 

Comportamento sazonal do IOD e nível dos açudes das Bacias Metropolitanas, entre 1995 e 2000.

 

Analisou-se, ainda, teores de clorofila a, fósforo e nitogênio nos reservatórios, estabelecendo-se correlações entre eles e a morfologia, aspectos climáticos e hidrologia dos açudes. Avaliação do comportamento sazonal destes parâmetros foram discutidas.

 

 

 

 

 

Variação sazonal da Clorofila a nos açudes das Bacias Metropolitanas no Ceará

Considerações sobre  nutriente limitante em açudes do Ceará, estado trófico dos açudes e oxigênio dissolvido como indicador do estado trófico foram realizadas. Por fim, procedeu-se à descrição da composição e dominância da comunidade fitoplanctônica no sistema Pacoti-Riachão-Gavião.

 

PRINCIPAIS RESULTADOS

  • Mapeamento da qualidade da água da bacia hidrográfica;
  • Zoneamento do risco da salinização;
  • Modelo de operação de reservatórios;
  • Modelo de avaliação e controle da qualidade da água.

 

 

CONCLUSÕES

 

  • A maioria dos açudes estudados, de acordo com a OMS, não apresentou maiores restrições ao uso de suas águas para consumo humano. Exceção ocorreu no açude Pompeu Sobrinho onde se observou níveis bastante elevados de Cloretos e Sódio.

 

  • Como o período do projeto caracterizou-se por baixa pluviosidade, na maioria dos açudes analisados as águas variaram de C2S1 a C3S1. O açude Pompeu Sobrinho apresentou águas impróprias para irrigação.

 

  • Com dados do balanço hídrico é possível avaliar o grau de aumento da salinidade dos reservatórios no final da estiagem, através de cálculos relativamente simples, utilizando-se o mínimo de informação possível.

 

  •  Um dos principais fatores do processo de diluição dos sais no período chuvoso é o volume armazenado no açude. Quanto maior o volume no início do período, menor efeito terá a vazão afluente na dessalinização do açude.
  •  A influência da morfologia dos açudes sobre a qualidade das águas é evidenciada pelas correlações observadas entre o desenvolvimento do perímetro e a Clorofila a, bem como, a profundidade relativa com NIT/FD e IOD.

 

  • Os parâmetros hidrológicos que mais influenciam na qualidade das águas dos açudes são: a variação de nível (CVN); e o tempo de retenção (Tr).
  • A alta correlação entre a Clorofila a e C.E. nos açudes da bacia metropolitana, sugere que a salinização dos açudes pode vir acompanhada de processos de eutrofização.

Coluna direita

Previsão para Fortaleza

 ◄◄  ◄  ►►  ► 
SETEMBRO 2017
Seg Ter Qua Qui Sex Sab Dom
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
Voltar ao topo da página

Rodapé da página

Avenida Rui Barbosa, 1246, Aldeota - Fortaleza/CE - CEP.: 60.115-221

Fone: (85) 3101.1088 - Fax: (85) 3101.1093 - Email: funceme@funceme.br

Copyright © 2014 - Governo do Estado do Ceará. Todos os direitos reservados